quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

- zero to hero;





now I’m floating like a butterfly,
stinging like a bee.
I earned my stripes. 
I went from zero, to my own hero.

- katy perry









porque se tem uma coisa bonita em Pindorama é o por do sol...

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

- damn;


You're always there, you're every where 
but right now I wish you were here.
 Damn, what i'd do to have you here.

- avril lavigne

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

- someone like me;

Off in the night, while you live it up, I'm off to sleep.... waging wars to shape the poet and the beat.
I hope it's gonna make you notice someone like me.


- kings of leon

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

- do lado de fora;



mas eu tô do lado de fora, eu tô olhando pra dentro.
eu posso ver através de você, ver suas cores verdadeiras.
por dentro você é feio, você é feio como eu.
eu posso ver através de você, ver o verdadeiro você.
(staind - outside)

domingo, 1 de dezembro de 2013

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

- saber perceber;


limites.
quase todo mundo sabe o seu,
mas quase ninguém sabe perceber o do outro.

peço paciência.

sem mais.

terça-feira, 19 de novembro de 2013

- carências;


preferimos chamá-las certezas, mas na realidade são somente carências.
é simplesmente de carências que precisamos.
e não são verdades absolutas aquelas que procuramos.
só desejamos alguém que acredite nas mesmas coisas que nós acreditamos.

domingo, 17 de novembro de 2013

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

- pequeno tratado de vida interior;

quando eu começo a ler um livro, uma coisa que me diz muito de como sera a leitura é aquela simples e humilde epígrafe.

"a felicidade é continuar desejando aquilo que possuímos" - santo agostinho

e isso foi o suficiente para me ganhar.








existir é um fato, viver é uma arte.não escolhemos viver, mas devemos aprender a viver como aprendemos a tocar piano, cozinhar, esculpir na madeira ou na pedra. é o papel da educação. mas ela se preocupa cada vez menos em transmitir um saber-ser, em proveito de um saber-fazer. preocupa-se mais em nos ajudar a enfrentar os desafios externos da existência do que os internos: como estar em paz consigo mesmo e com os outros? como reagir ao sofrimento? como conhecer a nós mesmos e resolver nossas próprias contradições? como conquistar uma autentica liberdade interna? como amar? finalmente, como alcançar uma felicidade verdadeira e duradoura,que tenha mais a ver com a qualidade da relação consigo mesmo e com os outros do que com o sucesso social e a aquisição de bens materiais?
(trecho do livro pequeno tratado de vida interior) 


terça-feira, 5 de novembro de 2013

- pra te dizer adeus;

do dia. 
sem porquê.
nem pra quê. 


talvez um dia teremos um lugar mesmo que escondido 
e distante das tantas observações,
no qual descansam os amores já em desuso,  
aqueles não históricos de que ninguém irá falar. 

e revele o teu sorriso em uma estrela, se você quiser... 
só por esta noite estaria bem assim.

e não servirá em nada a alegria, 
muito menos a criatividade.
me contentarei do tempo passado.

assoprará o vento uma lágrima que voltará pra você pra te dizer adeus.
adeus, minha pequena lembrança na qual escondi anos de alegria
adeus. 
e me veja enfrentar esta vida como se você estivesse ainda aqui

talvez um dia o universo escute o meu pedido e me nos aproxime.
entre o além e o meu ninho de cidade existe muita diferença, 
mesmo que eu tente não vê-las.

e o mundo gira e eu chamarei seu nome por milênios 
e você vai aparecer quando eu já não quiser mais.
mas não agora aqui, sobre esta cama,
em que tragicamente me dou conta que o teu odor está sumindo lento.

assoprará o vento uma lágrima que voltará pra você pra te dizer adeus.
adeus, minha pequena lembrança na qual escondi anos de alegria
adeus e me veja com orgulho que sustenta as guerras mesmo que não possa. 

e sem paz dentro do peito 
sei que não posso fazer tudo, mas se você voltasse eu faria tudo de novo e pronto.
e olho fixo para aquela porta porque 
se você entrasse uma outra vez quereria dizer que eu estou morto

adeus. e eu voltarei pra você.
para te dizer adeus, meu pequeno milagre vindo do céu
para me amar.

adeus. 
e caem as recordações e cai todo o universo
e você está ali.

a vida como você se lembra
um dia foi embora com você. 

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

- quero o silêncio das estrelas;


não me contentarei da felicidade. quero curtir um pouco de silêncio.

mas por que o silêncio? 
porque, se sabe, não todos podem se permitir. um animo atormentado no silêncio conhece ouvir somente os seus gritos estraçalhantes. você pode se sentir feliz por alguma coisa e depois não conseguir ouvir o silêncio.  

a felicidade é como um fogo de artifício que nos confunde com as luzes coloridas e adrenalina. uma vez que chega ao fim deixa somente restos estourados sobre o asfalto. 
a serenidade, ao invés  presenteia a harmonia dos silêncios. é como um céu estrelado que brilha no escuro enquanto todo o resto cala.

não me contento do estardalhaço dos fogos. quero o silêncio das estrelas. 

sábado, 26 de outubro de 2013

- nostalgia motherfucker;


na linha do tempo, o destino escreveu
com letras douradas: você e eu.

há quanto tempo eu esperava
encontrar alguém assim
que se encaixasse bem nos planos
que um dia fiz pra mim
você e eu.

vou dizer que nessas frases 
tem um pouco de nós dois
e não deixamos o agora pra depois.
quando te vejo eu me sinto tão completo
por onde vou.
e nesses traços vou tentando descrever
que mil palavras é tão pouco pra dizer
que o sentimento muda tudo,
muda o mundo.
isso é o amor!

(na linha do tempo - victor e leo)

terça-feira, 15 de outubro de 2013

- pedaços;

acredito que cada um tenha alguns pedaços de si espalhados pelo mundo.
mas simplesmente não sabe.

explico o porquê, às vezes, quando nos encontramos em um lugar onde nunca estivemos antes,  nos sentimos tão bem que chegamos até ter a sensação de pertencer àquele lugar. como se, no fundo, estivemos sempre lá. é assim, simplesmente: aquele é um dos nossos lugares, uma das partes de nós que estávamos procurando.

por isso devemos viajar. para recuperar mais pedaços possíveis, para nos reconstruirmos. conhecer outros lugares, outras tradições, outros céus, outras alvoradas, outros crepúsculos, outras cidades, outras vidas. conhecê-los. para nos reconhecer. 

quero fazer uma viagem. uma VIAGEM, não umas férias. as férias são feitas para nos bronzearmos; e para descansarmos, uma vez ao ano, do cansaço de sobreviver aos dias sempre iguais.

quem viaja, pelo contrário, não precisa de férias porque respira dias sempre novos. quem viaja se enriquece a cada dia daquilo que vê, que conhece, que sente. quem viaja se interessa por tudo. e se cansa, sim: mas de entusiasmo. para quem viaja não é fundamental o destino: o verdadeiro viajante se apaixona pelo percurso. e então VIAJAR é um modo de viver. talvez o melhor.

eu gostaria de fazer uma viagem. por um longo ano. ou talvez, por toda a vida. mas me bastariam viagens de vinte e quatro horas. todos os dias.

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

- humildade;

aquilo que quem tem sabe que tem e não precisa provar que tem para si mesmo ou para os outros. mas quem não tem se esforçar muito para fingir ter e necessita se afirmar perante a si mesmo e aos outros o tempo todo.

simples.

sábado, 5 de outubro de 2013

- primavera "madafaka";


"se não agora, então quando?"
praticamente dois anos se passaram e esta pergunta voltou a me assombrar.
e mais uma vez esta sou eu sofrendo com a frustração de pensar e agir ao som do "este não é o momento certo".
meu cérebro entende, mas a primavera (motherfucker!) faz florescer no meu coração a duvida e o desejo. novamente.

ah, eu não me reconheço mais com esses sonhos e desejos de... mulher.


sexta-feira, 4 de outubro de 2013

- saviano;

acho triste quando vejo a ignorância das pessoas que me dizem que a mafia é "da hora".
sempre vi essas organizações criminosos com desprezo.
desprezo pelo desprezo que eles têm para com as vidas alheias.
depois de tanto me falarem do filme "O Poderoso Chefão" ontem resolvi assistir com olhos menos críticos.
no fim me perguntei: o que tem de "da hora" nisso? o poder? o dinheiro?
mas e a corrupção? e as vidas perdidas? e o medo?

sinceramente, a única coisa que eu pensava depois do filme era no Roberto Saviano.
para quem não sabe Saviano é um rapaz jornalista e escritor italiano. em 2006 ele escreveu um livro chamado Gomorra onde conta a atuação da mafia Camorra. Camorra é a mafia presente em Napoli e Caserta.
com a publicação e o sucesso deste seu livro ele passou a correr risco de morte, óbvio. e desde então vive sob proteção policial pesada, não tem residencia fixa, não tem vida social, não tem lazer, simples, não tem vida.

alguns meses atras vi uma entrevista sua para um programa de tv chamado Il Testimone e acreditem, chorei e choro até hoje ao pensar no modo como ele vive. um rapaz tão jovem com uma sentença assinada.
choro também ao pensar na merda de mundo em que vivemos, onde somos a todo momento coagidos a mentir e omitir por medo. medo por nós, pela nossa família e pelos outros.

a coragem que ele tem quase ninguém tem.
e ele está pagando o preço com o que temos de mais precioso: a liberdade.
eu tive o desprazer de conviver com pessoas deste meio e sei o mal que me fizeram.
por isso quando alguém vangloria esse tipo de organização criminosa eu sinto pena pela sua ignorância.
não tem nada de legal, nada de "da hora".
e toda noite ainda rezo pedindo aos céus proteção para quem merece, proteção para quem pagou com a liberdade pela denuncia, este alguém é o Roberto Saviano.


- entrevista do Saviano: http://www.youtube.com/watch?v=Tj23VnHTfH0


quarta-feira, 2 de outubro de 2013

- pontuação em poesia;


as reticências me assustam, nunca se sabe o que escondem...
os dois pontos, pelo contrário, servem para explicar ou definir: mas não se pode sempre explicar tudo e, se sabe, definir é limitar. 
e depois tem o ponto, o simples ponto, que na minha opinião de simples não tem nada. é sempre difícil colocar um ponto, decididamente definitivo e sentencioso, sem dizer que é preciso começar do zero ou até mesmo virar páginas e, para pessoas como eu, é dificilíssimo começar de novo, praticamente impossível porque alguma coisa sempre fica e nem mesmo uma nova página será completamente branca. 
os pontos exclamativos são mesmo prepotentes, são como um grito na cara, um fogo de artificio que explode e faz muito barulho. e depois.... depois deixam um silencio embaraçante.
os pontos interrogativos? nem me fale, são perigosíssimos. já está na forma o problema deles. eles possuem aquele laço, aquele lacinho de gancho que poderia te pegar pelo pescoço e te estrangular. 
sobre o ponto e virgula não tenho muito à dizer, não fede e nem cheira, na verdade acho que ninguém o entendeu ainda; porque se pode usar sempre ou não usa-lo nunca. 
e por fim, estão as virgulas, amo imensamente as virgulas. depois de uma virgula pode mudar tudo ou nada, cada virgula é um respiro, um silencio breve entre uma palavra e outra, uma pequena pausa: um olhar, um sorriso, uma compreensão  um suspiro. 
as virgulas são a parte mais interessante de um discurso, têm a forma de um berço, e de fato são calmas e reconfortantes, marcam os tons e fazem sempre a diferença. sempre. 
onde tem uma virgula não existe fim, existe somente vontade de continuar. 


terça-feira, 1 de outubro de 2013

- oito. otto. eight. acht. huit. ocho. bā.

oito. otto. eight. acht. huit. ocho. bā.
Não que a vida tenha mudado ou que as responsabilidades tenham aumentado nesses oito meses de casados.
Mas o amor, aquele que começou exatamente ha 2 anos e 4 meses está crescendo, está amadurecendo. Está cada dia mais sólido. 
Mesmo com a certeza que você seria "aquele cara" que me acompanha desde a primeira vez que te vi, esses últimos oito meses têm simplesmente reforçado esta certeza. 
E a cada dia não posso fazer menos que agradecer aos céus por ter você todos os dias na minha vida.

domingo, 29 de setembro de 2013

- da noite;

o prazer de ter a melhor companhia sempre, 
de ter o melhor beijo a qualquer hora, 
de ter o melhor calor toda noite,
de ter os melhores planos à dois, 
o prazer de ter o melhor amor.... 
o prazer de te dar o meu melhor amor. 

domingo, 22 de setembro de 2013

- horrivelmente limitada;

jamais poderei ler todos os livros que eu gostaria,
nunca poderei ser todas as pessoas que eu gostaria,
e nem viver todas as coisas que eu quereria,
nunca poderei me exercitar em todos os campos que eu gostaria,
e por que eu deveria querer?
quero viver e sentir todas as formas, os tons e as variações 
das experiencias mentais e físicas possíveis nesta vida.
e sou assim horrivelmente limitada.

—   Sylvia Plath

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

- a arte de não fazer parte;

a arte de não fazer parte. (ou de não SER parte)
estranho desconforto de não se sentir inserido em um determinado meio.
não que eu me sinta desajustada ou errada. eu simplesmente estou sendo o que sempre fui.
talvez eu esteja escolhendo conviver com as pessoas erradas.

cada frustrante tentativa de me inserir em grupos faz com que eu me sinta mais distante e mais não-parte-de-algo.
às vezes penso que eu sou o problema. às vezes tenho certeza que o problema está neles.
embora eu me sinta triste em lidar com este sentimento de "quase-rejeição", me contenta a política do "poucos, mas bons".


quarta-feira, 18 de setembro de 2013

- silêncio barulhento;


prefiro o doce silêncio da minha mente barulhenta
ao barulho de bocas cheias mas de mentes vazias.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

- questão de ponto de vista;


procuro não ser muito incômodo, mas faço com que escutem a minha voz quando é necessário  e quando as coisas não dão certo é normal que eu fique triste, mas pelo menos sinto que eu fiz tudo o que eu podia, e observo a situação de um outro ponto de vista. 

(kazuo ishiguro - não me abandone jamais)

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

- o cheiro do mofo das certezas;

não quero as suas certezas.
a certeza é como a morte: fica parada, imóvel, sem nunca evoluir.
depois de um tempo cheira de mofo.
contamina o exigente do ar, oprime, sufoca.

saiba, prefiro as minhas duvidas que perfumam de esperança.
elas possuem dentro sonhos, desejos e vontade.
vontade essa que é tensão, que é impulso, que é movimento, que é VIDA.

portanto não me perturbe com as suas certezas: estou trabalhando nas minhas possibilidades.

domingo, 15 de setembro de 2013

- de outrem;


é nossa musica no rádio, mas ela não parece mais a mesma.
quando nossos amigos falam sobre você, tudo o que fazem é me machucar porque meu coração se parte um pouco quando ouço o seu nome.

meu orgulho, meu ego, minhas necessidades e meu jeito egoísta fizeram uma mulher maravilhosa e forte como você sair da minha vida.
nunca mais conseguirei arrumar a bagunça que eu fiz e isso me assombra sempre que fecho meus olhos.

jovem demais, bobo demais para perceber que eu deveria ter comprado flores e segurado sua mão.
deveria ter te dado todas as minhas horas quando tive a chance, ter levado você à todas as festas porque tudo o que você queria era dançar.
e agora minha garota está dançando, mas está dançando com outro homem

apesar de doer, serei o primeiro a dizer que eu estava errado.
sei que provavelmente estou muito atrasado para tentar me desculpar pelos meus erros
mas eu só quero que você saiba...
eu espero que ele te compre flores e que segure sua mão, que ele lhe dê todas as suas horas quando tiver a chance, que leve você à todas as festas porque eu me lembro o quanto você amava dançar, que faça todas as coisas que eu deveria ter feito quando eu era o seu homem.
 (when i was your man - bruno mars)

sábado, 14 de setembro de 2013

- ironia;

sopra sempre um vento que não muda nada.
enquanto muda tudo parece vento de tempestade.
veja só que vento, talvez não mude nada.
sem dúvidas muda tudo, parece mais um ventinho fresco.

(niente paura -ligabue)

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

- esconderijo;


existem tantas partes que eu escondi, neguei e perdi. 
existem tantas maneiras com que eu ataquei e acabei me machucando.

existem tantas cores que eu ainda tento esconder enquanto pinto.
e existem tantos tons que eu secretamente exalto enquanto espero.

você vem e convida essas partes pra fora do esconderijo.
esse é um convite com o qual eu parei de lutar.

tantas vezes eu pensei que morreria sem ser verdadeiramente conhecida.
tantos momentos pensei "pra sempre solitária na minha vocação".

você aparece e celebra cada sentimento.
e lá está você, toda honra e curiosidade...

um dia a confiança que me foi solicitada. 
requeria muito, você sabe, aceitar sua generosidade 
e me conhecer o bastante pra deixar você me ajudar.

obrigada por me ver como eu sou, eu me sinto muito menos sozinha.
obrigada por me entender, eu estou curada pela sua empatia.
ah, essa intimidade...
(empathy - alanis)

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

- limitar;

limitar a quantidade de álcool ingerida,
limitar doces e comidas gordas,
limitar o uso do cartão de credito,
limitar também amizades.


domingo, 1 de setembro de 2013

- 7;


eu gosto de olhos que sorriem,
de gestos que se desculpam
de toques que sabem conversar 
e de silêncios que se declaram.
machado de assis.

sábado, 31 de agosto de 2013

- estamos perdidos;

você chega num ponto onde discorda de tudo
e o gosto da água não mata a sede,
o cigarro não baixa a pressão que o mundo te faz,
você não sente fome
nem vontade de viver.
você não entende que se dormir
você perde o jogo pro pior demônio,
que se obedecer as placas
você não chega a lugar algum.
tudo é falta de direção,
de sentido e na verdade
nem bukowski sabia:
estamos perdidos.

(john)

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

- para a vida;


a sua irritação não solucionará problema algum. 
as suas contrariedades não alteram a natureza das coisas. 
os seus desapontamentos não fazem o trabalho que só o tempo conseguirá realizar. 
o seu mau humor não modifica a vida. 
a sua dor não impedirá que o sol brilhe amanhã sobre os bons e os maus. 
a sua tristeza não iluminará os caminhos. 
o seu desânimo não edificará ninguém. 
as suas lágrimas não substituem o suor que você deve verter em benefício da sua própria felicidade. 
as suas reclamações, ainda mesmo afetivas, 
jamais acrescentarão nos outros um só grama de simpatia por você. 
não estrague o seu dia. 
aprenda a sabedoria divina, a desculpar infinitamente, construindo e reconstruindo sempre. 
para o infinito bem!

 - Chico Xavier  

terça-feira, 13 de agosto de 2013

- medo;

a verdade é que eu sempre tive medo.
quando te conheci eu tive medo porque sabia que você teria sido uma daquelas pessoas
que eu teria medo de perder.
tive medo quando entendi que por você eu estava pronta a arriscar tudo e de novo.
eu tive medo quando comecei a perceber que você estava frequentemente em tudo.
no que eu dizia, fazia, ouvia e via.
as belas coisas da vida me dão sempre medo.

domingo, 4 de agosto de 2013

- não combater não quer dizer desistir;

a melhor coisa a se fazer é não combater. 
deixar pra lá.
não procurar sempre de ajeitar as coisas.
não combater não quer dizer desistir.
não faça aquilo que você tem vontade. 
faça aquilo que você não quer fazer.
faça aquilo que você não foi treinada para fazer.
faça as coisas que mais te assustam.

sábado, 3 de agosto de 2013

- mas este nosso amor é como música;


nós ficamos na lua ao meio-dia. ida, só ida, sem nunca retornar.
e fizemos planos para um novo mundo.

nos exploramos bem profundo,
mas ainda existe algo que não sei de você.

no centro do seu coração, o que existe?

eu sei que já aconteceu, que outros já se amaram, não é uma novidade.
mas este nosso amor é como música que não pode acabar nunca.
nunca. nunca.

(Come musica - Jovanotti)

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

- os nossos sinais de fumaça nestes anos de incêndio;

nossas falsas partidas, os meus estupores improvisos;
seu "sex and the city", o meu filme com tiros;
os nossos sinais de fumaça nestes anos de incêndio;
só o amor continua e todo o resto é jogo.
os seus silêncios que cariciam as minhas distrações;
te reencontrar quando você sem abandona;
o nosso imenso amor que você não pode narrar e que de fora parecera normal;

eu sei que já aconteceu, que outros já se amaram, não é uma novidade.
mas este nosso amor é como música que não pode acabar nunca.
nunca. nunca.


(Come musica - Jovanotti)

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

- a minha parte da cama nesta parte da vida;


os seus grandíssimos sonhos, os meus despertares distantes; 
nossos olhos que se tornam mãos.
sua paciência de pérola, as minha teorias sobre o amor despedaçadas pelo teu perfume bom;
seu espelho embaçado, o meu dia ruim;
a minha parte da cama nesta parte da vida;
sua respiração que me acalma se tivermos o apoio do coração;
a nossa história que não conhece fim.

eu sei que já aconteceu, que outros já se amaram, não é uma novidade.
mas este nosso amor é como música que não pode acabar nunca.
nunca. nunca.

(Come musica - Jovanotti)

terça-feira, 16 de julho de 2013

- lembrete;

gritar não adianta. 
você deve temer quem fala pouco 
e quando fala tem aquela firmeza que prega as palavras no ar. 
aqueles dão medo.

— guido fruscoloni 


sexta-feira, 5 de julho de 2013

- dentro;


procuramos preencher o vazio que sentimos através da fixação à pessoas, coisas e talvez às aparências. mas aí chega o momento no qual nos damos conta de que o vazio permanece. é um momento difícil mas é também um bom momento. é o momento que nos permite descobrir que o vazio só posso ser preenchido por dentro.

gustav birth

p.s.: saudades do nosso bonsai.

domingo, 30 de junho de 2013

- ...porque esperar?

algumas vezes ouvimos dizer: um dia você vai olhar pra trás e vai rir de toda essa historia
aquilo que eu me pergunto é porque esperar?

— richard bandler

quarta-feira, 26 de junho de 2013

- meio cheio ou meio vazio;


meio cheio ou meio vazio. este é o único copo que temos.
se estávamos melhor quando se estava pior eu não sei, mas eu aproveito agora.

meio cheio ou meio vazio, me disseram pra jogar então eu jogo.
dou o meu melhor, pelo menos estou tentando.
se eu tenho razão ou não, eu não mudo de ideia.

culpa do euro, culpa do dólar
culpa do super aquecimento e do gás carbônico
culpa da al quaeda, culpa do arbitro
culpa do preço de um barril de petróleo
culpa da zona de trafego limitado no centro histórico
culpa de todos os ares-condicionados em julho
culpa do feto, culpa do átomo
culpa de toda a droga dissolvida em pó

culpa da luta, culpa da Britney Spears
culpa do Made in China limitando os custos
culpa dos velhos, culpa dos jovens que com emule nao compram mais os  cds.
culpa de Gossip, culpa de CSI, dos criminologos e psicologos espertos.
culpa dos ladroes e dos maniacos.
culpa da internet que ferve de loucos.

(...)
escorrem as imagens e eu não consigo mais entender se é realidade
escorrem as imagens e eu não consigo mais perceber se é realidade

meio cheio ou meio vazio. este é o único copo que temos.
se estávamos melhor quando se estava pior eu não sei, mas eu aproveito agora.

meio cheio ou meio vazio, me disseram pra jogar então eu jogo.
dou o meu melhor, pelo menos estou tentando.
se eu tenho razão ou não, eu não mudo de ideia.

- mezzo pieno mezzo vuoto - 883

terça-feira, 4 de junho de 2013

- um porto seguro;

existem dias que te lembram constantemente o falimento que você é.
em dias assim é preciso ter um porto seguro.

na playlist ligabue está cantando cerca nel cuore.


existem trens que não passam de novo, 
existem bocas para serem lembradas,
existem rostos que se confundem...
e existe você. e agora existe você.


meu porto seguro.

sábado, 1 de junho de 2013

quarta-feira, 1 de maio de 2013

- morrer de amor;

tão bom morrer de amor e continuar vivendo.
 - mario quintana


Feliz 3 meses de casados. 
Te amo. Você sabe.

sábado, 30 de março de 2013

- limites;

Somewhere over the rainbow...

a um certo ponto você precisar tomar uma decisão.
os limites não mantem fora os outros, eles servem somente para te sufocar.
a vida é um problema e nós somos assim mesmo.
portanto, você pode jogar fora a tua vida traçando limites,
ou simplesmente pode decidir de viver cada limite superando-o.
mas existem limites que são decididamente muito perigosos de se superar.
mas uma coisa eu sei:
se você está pronto para correr o risco, saiba que a vida do outro lado é espetacular!

domingo, 24 de fevereiro de 2013

- sobre viajar

Tramonto calabrese.


Desde de muito jovem descobri que a viagem era, para mim, a melhor maneira de aprender. Continuo até hoje com esta alma de peregrino, e decidi relatar neste blog algumas das lições que aprendi, esperando que possam ser úteis a outros peregrinos como eu.

1] Evite os museus. O conselho pode parecer absurdo  mas vamos refletir um pouco juntos: se você está numa cidade estrangeira, não é muito mais interessante ir em busca do presente que do passado? Acontece que as pessoas sentem-se obrigadas a ir a museus, porque aprenderam desde pequeninas que viajar é buscar este tipo de cultura. É claro que museus são importantes, mas exigem tempo e objetividade – você precisa saber o que deseja ver ali, ou vai sair com a impressão de que viu uma porção de coisas fundamentais para a sua vida, mas não se lembra quais são.

2] Frequente os bares. Ali, ao contrário dos museus, a vida da cidade se manifesta. Bares não são discotecas, mas lugares onde o povo vai, toma algo, pensa no tempo, e está sempre disposto a uma conversa. Compre um jornal e deixe-se ficar contemplando o entra-e-sai. Se alguém puxar assunto, por mais bobo que seja, engate a conversa: não se pode julgar a beleza de um caminho olhando apenas sua porta.

3] Esteja disponível. O melhor guia de turismo é alguém que mora no lugar, conhece tudo, tem orgulho de sua cidade, mas não trabalha em uma agência. Saia pela rua, escolha a pessoa com quem deseja conversar, e peça informações (onde fica tal catedral? Onde estão os Correios?) Se não der resultado, tente outra – garanto que no final do dia irá encontrar uma excelente companhia.

4] Procure viajar sozinho, ou – ser for casado – com seu cônjuge. Vai dar mais trabalho, ninguém vai estar cuidando de você s), mas só desta maneira poderá realmente sair do seu país. As viagens em grupo são uma maneira disfarçada de estar numa terra estrangeira, mas falando a sua língua natal, obedecendo o que manda o chefe do rebanho, preocupando-se mais com as fofocas do grupo do que com o lugar que se está visitando.

5] Não compare. Não compare nada – nem preços, nem limpeza, nem qualidade de vida, nem meio de transportes, nada! Você não está viajando para provar que vive melhor que os outros – sua procura, na verdade, é saber como os outros vivem, o que podem ensinar, como se enfrentam com a realidade e com o extraordinário da vida.

6] Entenda que todo mundo lhe entende. Mesmo que não fale a língua  não tenha medo: já estive em muitos lugares onde não havia maneira de me comunicar através de palavras, e terminei sempre encontrando apoio, orientação, sugestões importantes, e até mesmo namoradas. Algumas pessoas acham que, se viajarem sozinhas, vão sair na rua e se perder para sempre. Basta ter o cartão do hotel no bolso, e – numa situação estrema – tomar um táxi e mostra-lo ao motorista.

7] Não compre muito. Gaste seu dinheiro com coisas que não vai precisar carregar: boas peças de teatro, restaurantes, passeios. Hoje em dia, com o mercado global e a Internet, você pode ter tudo sem precisar pagar excesso de peso.

8] Não tente ver o mundo em um mês. Mais vale ficar numa cidade quatro a cinco dias, que visitar cinco cidades em uma semana. Uma cidade é uma mulher caprichosa, precisa de tempo para ser seduzida e mostrar-se completamente.

9] Uma viagem é uma aventura. Henry Miller dizia que é muito mais importante descobrir uma igreja que ninguém ouviu falar, que ir a Roma e sentir-se obrigado a visitar a Capela Sistina, com duzentos mil turistas gritando nos seus ouvidos. Vá à capela Sistina, mas deixe-se perder pelas ruas, andar pelos becos, sentir a liberdade de estar procurando algo que não sabe o que é, mas que – com toda certeza – irá encontrar e mudará a sua vida.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

- essencial;



Enquanto o mundo se desfaz em pedaços, 
eu componho novos espaços e desejos 
que pertencem também à você, 
que desde sempre é essencial para mim.
- l'essenziale - mengoni

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

- o lado bom da solidão;




Vejo muitas mulheres que odeiam viver sozinhas. Há quem não gosta da sensação de casa vazia quando chega a casa. Mas eu aprendi a gostar da solidão.

Aquela serenidade em casa. O silêncio pode ser tão retemperador. Claro que agora com uma criança em casa é difícil. Mas aqueles momentos em que o homem está a trabalhar e o pequeno já dorme, são momentos de ouro. Antes detestava comer sozinha. Hoje aprendi a gostar de cozinhar só para mim. E até abrir uma garrafa de vinho só para mim. Gosto de ir para uma esplanada sozinha tendo por companhia os meus pensamentos, um livro, um jornal. Não sou uma alma solitária porque adoro estar rodeada por amigos e família, organizar grandes jantaradas, etc. Mas preciso de momentos a sós para me re-equilibrar. Penso que a ausência do marido muitas noites é o grande sucesso do nosso casamento.

Aprendi simplesmente a me valer só de mim para ser feliz. A aproveitar os meus momentos. A entregar-me unicamente a mim. A aproveitar-me de mim. A gozar o meu melhor. A fazer o que bem me apetece. A ser feliz comigo.
(Por Dina)

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

- me importo, sim;

;*


Quando falo, todo mundo acha que estou querendo aparecer, que sou ridícula quando fico quieta, insolente quando respondo, inteligente quando tenho uma boa ideia, preguiçosa quando estou cansada, egoísta quando como um pouquinho mais do que deveria, imbecil, covarde, calculista e outros adjetivos. O dia inteiro só ouço dizerem como sou uma criança irritante, e apesar de rir e fingir que não me importo, eu me importo, sim. Gostaria de pedir a Deus que me desse outra personalidade, uma que não criasse antagonismos com todo mundo. Mas isso é impossível. Estou presa ao caráter com o qual nasci e, mesmo assim, tenho certeza de que não sou má pessoa. Faço o máximo para agradar a todos, mais do que eles suspeitariam num milhão de anos.
(O diário de Anne Frank) 

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

- OHANA;

"Ohana quer dizer 'família' e 'família' quer dizer 'nunca abandonar ou esquecer'." <3


Ohana quer dizer 'família' 
e 'família' quer dizer 'nunca abandonar ou esquecer'.
- Lilo e Stitch

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

- onde ficar;

Era uma vez...

O problema nunca foi "aonde ir".
Escapei de tantos lugares para encontrar refúgio em mil outros lugares.
O meu problema é sempre e somente um: onde ficar.

sábado, 2 de fevereiro de 2013

- criar um vínculo;

1 ano e 8 meses.
Não sei exatamente o que leva duas pessoas a criarem um vínculo.
Talvez a sintonia, talvez as risadas, talvez as palavras.
Provavelmente o começar a compartilhar um pouco mais, falar um pouco de si mesmo,
e lentamente ir descobrindo o que o coração esconde.
Aprender a se amar. 
Ou talvez seja porque tinha que acontecer.
Porque as almas estão destinadas a ser, mais cedo ou mais tarde.
P. Coelho

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

- acreditar;

Libertà andrò cercando...


Nada é mais fácil do que se iludir
pois todo o homem acredita que 
aquilo que deseja seja verdadeiro.
- Demóstenes

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

- a graça é procurar;


A volte cerchi pietre. A volte cerchi farfalle. A volte cerchi fiori. A volte cerchi la verità. Ma ricorda sempre: la bellezza sta nel cercare, non in ciò che trovi. Quella è soltanto una scusa. - Osho

Às vezes você procura pedras.
Às vezes você procura borboletas. 
Às vezes você procura flores. 
Às vezes, a verdade. 
Mas lembre-se sempre: a beleza está em procurar, e não naquilo que você acha. 
Aquilo é somente uma desculpa.
 – Osho

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

- a capacidade de ficar sozinho é a capacidade de amar;

I love you.

a capacidade de ficar sozinho é a capacidade de amar. 
pode até parecer paradoxal, mas não é. 
é uma verdade existencial: somente aqueles que são capazes de ficarem sozinhos são capazes de amar, de dividir, de chegar até na essência mais intima de uma pessoa sem possuí-la e sem ficar dependente.