quinta-feira, 31 de março de 2011

- verdades inventadas;




Ela dormia alí ao meu lado. Linda. Serena. Angelical.
Eu com os olhos pregados na estrada rumo ao litoral, olhos já cansados.
Mas não cansados de olhar pra ela. Eu queria estacionar o carro e admira-la por tempo indeterminado, ama-la por quanto tempo me fosse concedido. Como é possível aqueles 160cm significarem tanto?
Aquela noite estrelada de verão, lua crescente. Crescente como o meu amor e encantamento por ela ao meu lado. Neste momento me sinto tão completo. Tão emocionado. Eu poderia traduzir isso em uma lágrima que escorreu dos meus olhos. (Que bom que ela dorme)
Canto baixinho a música do Bruno Mars que toca na rádio: "Oh os olhos dela fazem as estrelas parecerem sem brilho. O cabelo dela tem o caimento perfeito sem ela precisar fazer nada. Ela é tão linda e eu digo isso pra ela todo dia. Sim eu sei que quando eu a elogio, ela não acredita. E é tão triste saber que ela não vê o que eu vejo. Mas sempre que ela me pergunta se está bonita eu digo: Quando eu olho pro seu rosto, eu não vejo uma coisa que eu mudaria pois você é incrível exatamente como você é. E quando você sorri o mundo inteiro para e fica olhando por um tempo. Pois, garota, você é incrível exatamente como você é."
Ao vê-la dormindo senti que ela confia em mim. Que ela confia a vida dela à mim. Vi naquele singelo sorriso desenhado nos lábio rosas e delicados que ela me ama. E ama muito.
E mesmo sabendo que ela partiria, eu sabia, de alguma forma sabia, que ela me amaria sempre. E que ela voltaria pra mim. E que eu a contemplaria dormindo muitas vezes ainda.
[FIM]


Sem mais o que dizer, hoje te escrevo essa história. Saudades, sempre.

Por Te amo. Ainda. E sempre.: Verdades inventadas.

- é isso;


é isso. parecia o fim do mundo, mas eu ainda tô aqui.
é preciso habilidade. é isso.
o frio vem mas também vai embora e já é tempo de se inventar uma outra travessura.

é isso. parecia o fim do mundo, mas eu ainda tô aqui.
e não tem nada que não certo, não tem nada pra mudar.
com o coração que bate mais forte e a vida que vai e não vai.
às adversidades não se vende, se dá de presente.

com a alma que se arrepende por um pouco.
com o vento, com o sol, com a raiva no coração, com o ódio e o amor.
em quatro palavras: eu ainda tô aqui.

é isso.
eu ainda tô aqui.

é isso.
eu já tô vacinado, você sabe.
é preciso fantasia. fazer o quê?!

é isso.
toma o rumo que você quiser.
eu tô sempre por aqui.
as vezes mais pra cima, as vezes mais pra baixo.
[...]


é isso. palavras do vasco rossi, né?
e sim. eu ainda tô aqui.


segunda-feira, 21 de março de 2011

- homens: o sexo frágil;

desculpa, mas eu cansei da hipocrisia de vocês homens.
eu tô com o saco cheio de ouvir vocês dizerem: eu quero uma mulher independente, divertida, bonita, bla bla. e então, quando encontram uma adivinha o que acontece? vocês regridem. vocês não sabem lidar com isso.

vocês querem uma mulher independente? saiba que ela respira, come, dorme, bebe, trabalha e vive sem você. sério, ela não precisa de você. lide com isso.

vocês querem uma mulher divertida? saiba que ela tem vida. vida social, digo. ela tem amigos. ah, ela faz amizade facilmente. aprenda a aceitar isso.

vocês querem uma mulher bonita? saiba que os homens vão sim dar em cima dela. mas não necessariamente ela irá corresponder. teu ciúmes é inevitável. ela vai continuar bonita. viva com isso.

acho que vocês homens ainda não conceberam a idéia que de a gente não precisa de vocês. tipo, a gente não precisa que vocês resolvam nossos problemas. a gente não precisa que vocês pensem por nós. a gente não precisa que vocês paguem a conta. até pro orgasmo a gente não precisa de vocês, entende?

saiba também que ela tem metas, planos, objetivos e você nem sempre vai fazer parte deles. defina os seus. a gente também não precisa fazer parte de todos eles. existem objetivos em comum. mas a gente também precisa preservar a nossa individualidade.

se é uma mulher dessas que vocês querem, por favor, respeitem ela. e terão respeito.
acredite, não é porque ela é feliz longe de você que ela não te ama. não é porque ela se vira sempre sozinha que ela não queira você ao lado. não é porque ela sai sem você que ela te trai. não é porque ela tem amigos que ela fica com eles. não é porque os homens acham ela bonita que ela se interessa por eles.

sério, a gente sabe ser séria. sabe ser madura. sabe respeitar você, sua individualidade e sua liberdade. e por favor, te peço de joelhos, não tente tirar dela a liberdade e nem a individualidade. ela não vai abrir mão disso. ela vai abrir mão de você. não seja fraco. não seja inseguro. não a sufoque. não regrida. não se deixe controlar.

mais uma coisa, muito importante por sinal, CONFIE NELA. acredite nela.

enfim, é só uma dica. um desabafo.

domingo, 20 de março de 2011


E’ a questi spazi vuoti che bisogna stare attenti, perchè si riempiono di sentimento, prima ancora che uno si renda conto di cos’è successo.
Aimee Bender

- não se pode partir um coração partido;



não será tão fácil dessa vez me machucar. você pode tentar e desta vez, baby, não existem mais lágrimas aqui pra secar. se você acha que pode me enganar como antes, se você acha que ainda pode fazer isso, não irá tão longe.
você não pode partir um coração partido.

então tente seu melhor agora, baby, faça o melhor pra me arrasar.
mas você não pode partir um coração partido.

nenhum dano você pode fazer agora. eu estou imune a você agora. você não pode partir o que já se rompeu. não há nada que você possa fazer a mim ainda.
você não pode partir um coração partido.
(kate voegele)

é isso que eu penso. que ninguém mais vai poder me machucar. não como antes.
portanto quando alguém me perguntar: qual a parte mais dura do seu corpo? eu saberei dizer: o coração. por amor aqui não se sofre mais. e embora eu tente, o coração não amolece. eu recuo sempre. lado bom? não sofrerei, não vai doer. lado ruim? falta de fé no amor.


quarta-feira, 16 de março de 2011

- meu segundo tempo;



até que um belo dia eu me dei conta que precisava decidir. até que um belo dia a carta de identidade não me revelava a verdade. não é o momento, não é o momento de brincar. aqui tá uma bagunça e eu tenho um monte de coisas pra fazer.

eu superei a metade da minha viagem e devo me apressar porque tem o meu segundo tempo e eu não quero perder ele. porque eu meio que me sinto no começo de um show. porque é o meu segundo tempo e eu quero aproveitá-lo. porque eu espero tanto que seja esplêndido.

até que um belo dia eu não havia percebido que era hora de escolher coisas e pessoas que me sugavam mesmo que fosse um grama de energia. jogar fora tudo aquilo que faz mal ou pelo menos jogar aquilo que não vale, que não vale nada ou não vale nem mesmo uma emoção.

e se não vale, eu devo me apressar porque é o meu segundo tempo e eu não quero perder ele. porque eu meio que me sinto no começo do show. porque é o meu segundo tempo e eu quero aproveitá-lo. porque eu espero tanto que seja esplêndido.

quantos armários pra esvaziar, quanta coisa pra jogar fora, coisas que me pareciam importante mas pelo contrário, não me servem em nada. quantas ocasiões perdidas pra se recuperar, quantas cartas pra ainda jogar.


- são palavras do meu querido max pezzali que adoçam meus ouvidos nesta Itália cinza e chuvosa.