quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

- tutto qua;


Non mi manchi più tu,

mi manca quella sensazione

- che sarebbe stato possibile essere felice -

che tu hai infranto.

domingo, 20 de fevereiro de 2011

- apenas ESCUTE;


quando eu lhe peço que me escute e você começa a me dar conselhos,
você não está atendendo ao que lhe pedi.

quando eu lhe peço que me escute e você me diz que “eu não devo me sentir assim”,
você não está entendendo o meu pedido.

quando eu lhe peço que me escute e você “sente que tem que fazer algo”,
você continua sem entender meus sentimentos.

escute, tudo o que lhe pedi foi para me escutar, não falar ou fazer nada.

quando você faz por mim uma coisa que eu posso e preciso fazer,
você contribui para o meu medo e fraqueza.

mas é muito bom quando você aceita o que eu sinto, mesmo que a todos pareça absurdo. “sentimentos absurdos” fazem sentido quando entendemos o que significam.

por isso, por favor, apenas me escute.
se você quiser falar, espere um pouco pela sua vez.
e eu escutarei você.

e a coisa mais "pra mim" que eu ouvi ontem na aula da saudade.
tenha sempre a escuta como princípio.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

- que eu não perca o equilibrio;


Que eu não perca o equilibrio, mesmo sabendo que inúmeras forças querem que eu caia.
E é maravilhoso ver que Tudo Que Sempre Quis é simples, belo, acessível, fácil, do bem. E precioso, exatamente porque pode ser fugaz.
(Caio Fernando Abreu)

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

- sobre a fé;

hoje os deuses me disseram (não com palavras) que eu deveria ir na reunião do centro espírita. e eu obedeci. eu sabia que lá ouviria alguma coisa importantes. não deu outra.

de tudo pude concluir que eu posso perder tudo, mas nunca perderei a fé.
tão difícil falar de fé quando as pessoas acreditam que pra isso eu tenha que ter uma religião.
e acredite, eu tenho. tenho todas as religiões dentro de mim.
elas se completam em mim: as orações católicas, a doutrina espírita, os mantras tibetanos, algumas músicas evangelicas e os ensinamentos wicca.

tudo isso me ofereceu uma sólida fé baseada na certeza que meu deus e minha deusa estão dentro de mim. estão nas flores. nos meus livros. mas minhas músicas. e em tudo mais que me faz bem e não faz mal aos outros.

E que eu não perca a fé nas forças que me protegem e me orientam - seja como for que as vejo e chamo.


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

- confesso;

confesso acordei achando tudo indiferente.
verdade acabei sentindo cada dia igual.

quem sabe isso passa sendo eu tão inconstante.
quem sabe o amor tenha chegado ao final.

não vou dizer que tudo é banalidade.
ainda há surpresas mas eu sempre quero mais.

é mesmo exagero ou vaidade.
eu não te dou sossego, eu não me deixo em paz.

não vou pedir a porta aberta é como olhar pra trás.
não vou mentir nem tudo que falei eu sou capaz.
não vou roubar teu tempo eu já roubei demais.

tanta coisa foi acumulando em nossa vida.
eu fui sentindo falta de um vão pra me esconder.
aos poucos fui ficando mesmo sem saída. perder o vazio é empobrecer.

não vou querer ser o dono da verdade,
também tenho saudade mas já são quatro e tal.

talvez eu passe um tempo longe da cidade.
quem sabe eu volte cedo ou não volte mais.

(ana carolina - confesso)

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

- 8 ou 80;

ou confia ou não confia.

comigo não tem meio termo.
e se algum dia precisar provar pra me fazer acreditar, bem, será o fim.
fico tentando entender qual parte do "se eu não perguntei é porque não é importante e eu não quero saber" o pessoal não entende. parece tão simples pra mim.

o fato de eu não perguntar é tão grave assim? por que incomoda tanto?
por que eu tenho sempre que explicar tudo?
por que eu deveria me importar tanto com coisa tão pequena?

[pausa]

tô me sentindo em 2004. encontrei em mim uma raiva que estava adormecida.
quisera eu jamais ter encontrado. de novo.


segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

- nós: pronome pessoal caso reto primeira pessoa do plural;

nós:
pronome pessoal caso reto primeira pessoa do plural.
segundo o dicionário Michaelis 1 designa a primeira pessoa do plural de ambos os gêneros e serve de sujeito ou regime de preposições. 2 emprega-se pelo singular, quando alguém fala como órgão de uma coletividade, ou quando o escritor, por modéstia, quer tornar menos saliente a sua individualidade.
e eu tenho uma dificuldade monstro com esse pronome. por que?
talvez porque todas (ou quase todas) as vezes em que eu o usei, ele foi procedido por um "fale por você". portanto, acostumei a falar por mim.


sábado, 5 de fevereiro de 2011

- bem aqui do meu lado;

espero que você esteja se dando bem aí sem mim, porque eu não estou me dando tão bem sem você. as coisas que eu pensei que você nunca entenderia sobre mim, foram as coisas que eu acho que você sempre entendeu. então como eu pude ter sido tão cego por todos esses anos? só agora percebo isso através deste medo de viver sem você.

tudo o que eu tenho neste mundo e tudo o que eu ainda serei, pode desmoronar a não ser que eu tenha você bem aqui do meu lado.

eu não consigo suportar mais um dia sem você, porque, querida, eu nunca conseguiria sozinho. tenho esperado tanto tempo apenas para te abraçar e estar de volta nos seus braços onde eu pertenço. me desculpe por nem sempre achar as palavras pra dizer, mas todas as certezas que sempre tive desaparecem no seu amor.

tudo o que eu tenho neste mundo e tudo o que eu ainda serei, pode desmoronar a não ser que eu tenha você bem aqui do meu lado.

e enquanto os dias passam eu vejo que algo ainda espera por mim, mas você não está aqui. me desculpe por nem sempre achar as palavras pra dizer, mas todas as certezas que sempre tive desaparecem no seu amor.

tudo o que eu tenho neste mundo e tudo o que eu ainda serei, pode desmoronar a não ser que eu tenha você bem aqui do meu lado.

(here by me - 3 doors down)

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

- dizem que é normal;



não se faça perguntas. não há nada para se saber.
é só que às vezes o silêncio tem o seu valor.
porque você sabe que quando não sei o que dizer prefiro ficar a escutar.
portanto, é inútil explicar que todo equilíbrio meu é momentâneo e minha alma é veloz. e em um instante o meu pensamento muda de forma.

(dirsi che è normale - nicolas bonazzi)

- seja humano: proteja os animais;

Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da criação, seja animal ou vegetal, ninguém precisará ensiná-lo a amar seu semelhante.

Todas as pessoas que têm ética, moral e bom coração, para mobilizar seres humanos, para acabarem de vez com a crueldade contra os animais, domésticos, ou silvestres, de pequeno ou de grande porte, que muitas vezes são maltratados com crueldade.

Lute pelos animais de estimação ou silvestres, que são torturados e sacrificados freqüentemente, pois eles fazem parte do meio ambiente que nos auxilia e nos dá vida. Eles sentem como você!

Dor, amor, auto-estima ou depressão, angustia, fome, frio, tristeza, etc. Tenha consideração com um ser que não pode se defender contra os malefícios do ser humano, pois eles lutam para sobreviver. Os animais são inocentes como crianças e merecem respeito.

Vamos denunciar maus tratos a animais, pois eles são seres vivos com sangue nas veias como nós.

Maus tratos são julgados como crime: como envenenamento de animal ou manter o animal em lugar anti-higiênico, manter animal trancafiado em locais pequenos; manter animal permanentemente em correntes; golpear e/ou mutilar o animal; utilizar animais em shows que possam lhe causar pânico ou estresse; agressão física a um animal indefeso. Se encontrar um animal atropelado ou abandonado deve procurar imediatamente um veterinário ou o centro de
zoonose. Ou procure imediatamente uma delegacia de Policia, para lavrar o Boletim de Ocorrência ou, na dúvida, no receio, compareça ao fórum para orientar-se com o Promotor de Justiça.

Maus tratos é crime, legitimado pela Constituição Federal de 1988, em seu art. 225, inciso VII, afirma: “Proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade”. E Lei Federal nº 9.605 de 1998, em seu art. 32, afirma: “Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa; § 1º Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos: § 2ºA pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal”. Ainda o Decreto 24.645/34 reza em seu artigo 1º - “Todos os animais existentes no País são tutelados do Estado”. E em seu artigo 2º - parágrafo 3º: “Os animais serão assistidos em juízo pelos representantes do Ministério Público, seus substitutos legais e pelos membros das Sociedades Protetoras dos Animais”.

Portanto, se presenciar malefício contra estes indefesos seres, não se cale!
Para não cometer crime por omissão, pois, estará infringindo as leis acima mencionadas. Estes seres pertencem à biodiversidade onde todos nós estamos inseridos. Vamos cumprir nossa função de cidadãos conscientes. É dever de todos cumprir a lei. Não cometa crime por omissão.

Por Leonildo Colombo
Advogado pós-graduação em:
Direito Tributário
Direito Educacional
Direito Ambiental
Direito Processual Civil
leo@leonildocolombo.adv.br