sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Eterno.


Eterno.
Upload feito originalmente por Juliane Colombo

E a cada página deste livro eu choro litros.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

- for the first time;


And we both know how we are gonna make it work when it hurts, when you pick up yourself up you get kicked to the dirt.
Trying to make it work, but man these times are hard.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

- sob uma chuva de incertezas;

Em menos de 34 dias eu vou mudar. Nao é só de casa, nem só de cidade e nem só de país: é de vida. Totalmente.
Eu vejo neste momento pessoas fazendo suas vidas aqui, aprofundando ainda mais as raízes aqui. Vejo recem formados buscando emprego e se solidificando no lugar onde estavam. E quer saber como eu me sinto? Um alien. Nao sei nem imaginar esta como sendo a minha realidade.
Eu sei, eu escolhi ir estudar fora. Eu sei, eu busquei isso nos ultimos anos. Mas isso nao me impede de sentir medo das incertezas. Eu nao sei se vou conseguir acompanhar o curso(embora eu saiba da minha competencia). Eu nao sei se vou me adaptar a nova cultura. Eu nao sei se terei emprego. Sao tantos "eu nao sei" que eu já nem sei mais.
Oi, SEI QUE É ESCOLHA MINHA, MAS ME DEIXA SENTIR MEDO, TA?!
Nestas horas pessoas surgem de todos os lugares pra te apontar o dedo e te julgar. "Voce poderia fazer o mesmo mas ficando aqui". "Voce nao vai ser feliz". "Voce nao vai conseguir". Mas quer saber? EU TO TENTANDO. E to crescendo com isso.
Só peço: me deixa viver!!! Me deixa ter medo. Me deixa aprender.
E SE AMANHÃ NAO FOR NADA DISSO, CABERÁ SÓ A MIM ESQUECER.
Published with Blogger-droid v1.6.6

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

- alguém como você;

venho procurando há muito tempo por alguém exatamente como você.
tenho viajado ao redor do mundo esperando por você chegar.

alguém como você faz tudo valer a pena.
alguém como você me deixa satisfeita.
alguém exatamente como você...

eu tenho viajado por uma estrada difícil, meu bem, procurando alguém exatamente como você. eu estive carregando minha carga pesada esperando uma luz.

alguém como você que faz tudo valer a pena.
alguém como você que me satisfaz.
alguém exatamente como você.

eu tenho pesquisado pra saber onde você está.
eu fui e voltei nas estradas, em todos os tipos de terras estrangeiras.

alguém como você faz tudo valer a pena.
alguém como você me deixa satisfeita.
alguém exatamente como você.

eu estive ao redor do mundo, marchando numa batida diferente do tambor,
mas o melhor ainda esta por vir.

alguém como você faz tudo valer a pena.
alguém como você me deixa satisfeita.
alguém exatamente como você.
(van morrison - someone like you)

sábado, 8 de janeiro de 2011

- o melhor amor pelo melhor amigo;

Era uma vez:
em 2009 alguém apareceu na minha vida. a gente não sabe como, mas a gente já se conhecia. talvez de alguma noitada bêbada de pegação. brincadeira.
e ele sempre me ouviu com tanta atenção. sempre me deu conselhos(mesmo que eu não seguisse). sempre me ligava só pra saber como eu estava. ficavamos noites e noites no msn falando sobre a vida. na época em que nos conhecemos eu e ele estávamos passavamos por momentos difíceis. sabe aquela pessoa que você pode falar sobre qualquer assunto que ainda assim ela te escuta e te responde? então, é ele. sempre brincávamos de nos chamar de amor e xuxu. pra minha família e para a família dele já existia algo a mais. eu não vou negar que eu tinha uma curiosidade imensa de beijar aquela boca linda...
na virada do ano de 2009 para 2010 a primeira mensagem que eu mandei foi pra ele. os dias que ele sumia da internet, eu sentia falta. com o tempo ele se tornou tão presente em mim que era automático falar dele e pensar nele como se tivéssemos sido amigos sempre.
lembro que em abril de 2010 eu estava em caldas novas (bêbada) e ele me ligou. e eu disse que iria levar ele lá comigo e meus amigos um dia. então dia 03 de agosto de 2010 recebi um sms dele dizendo: "não pára mais em casa não?". e de fato eu estava numa semana de pura gandaia. e eu possivelmente perguntei quando ele queria que eu conectasse e logo ele me mandou um sms que me deixou sem ar: "quando você quiser amor. manda DM que eu entro! após as 13hr daí, claro. hehe! mas amor, não me aguento e darei a notícia agora: vou praí! :P".
depois do meu momento sem ar, respondi perguntando quando e fazer o que aqui. adivinha o que ele me disse? "te ver. fim do mês!". a partir daí eu passei a viver ansiosa esperando ele chegar.
ele chegou e infelizmente nos primeiros dias eu não pude dar a atenção que ele merecia. o dia que ele me ligou dizendo que estava aqui eu fiquei tão feliz, mas tão feliz que eu quase larguei o pessoal na pizzaria e fui encontrar ele. então numa terça-feira, 24 de agosto, saí do meu trabalho cansada e desarrumada, corri pra casa, chamei meu irmão e minha cunhada e fomos tomar um açaí. bom, era a primeira vez que estavamos todos juntos mas foi tão natural. ele se deu muito bem com meu irmão logo de cara. tanto que ao deixarmos ele em casa meu irmão disse: "gente boa esse seu amigo". depois deste dia passamos a nos falar ainda mais.
na sexta-feira fizemos uma festinha na minha casa. rá, ele conheceu minha família. ele ficou trêbado. tentou me beijar. ficava me abraçando. ah, ele ainda queria fazer um acordo comigo: casarmos daqui uns anos. coisa de doido, né?
no dia seguinte decidimos ir pra uma boate. e ele tava lindo.
em algum momento lá na boate eu vi ele conversando com uma menina ruiva, me bateu uma pontada de ciúmes. foi aí que eu parei e pensei: OPA! tem alguma coisa acontecendo.
então fui ao banheiro com a minha cunhada e contei pra ela o que tava acontecendo e por incrível que pareça ela me disse VAI EM FRENTE.
foi assim que, com a desculpa de ir buscar gelo, nos afastamos de todo mundo. ao descermos as escadas ele segurou meu braço e me puxou pra perto dele. nessa hora não ouvia mais a música, não via mais as pessoas ao redor. e aconteceu o melhor beijo do mundo. a cada segundo eu rezando pra ele beijar mal ou que fizesse qualquer coisa que nao me permitisse gostar (mais) dele. impossível. ele fez tudo direito.
a partir daí ficamos juntos todos os dias. viajamos. passamos uma noite olhando o céu lindo e estrelado. lembra que em abril eu disse que o levaria para caldas novas com a galera? então. fomos também. ele passou a frequentar minha casa. na verdade, ele já era da família.

tudo bem que ele me enrolou mais de um mês até me pedir em namoro... acontece que desde o começo a gente se sentia em um "relacionamento". foi muito natural me apaixonar... amar ele. ele já era parte de mim. só mudou que agora ele está mais presente. ele me apresentou um amor que eu não sabia que existia. eu gosto da forma como ele me ama, da forma que ele cuida de mim, da forma que ele se preocupa comigo(mesmo que eu não esteja muito habituada com isso ainda).
vivemos dias lindos. mas infelizmente ele teve que ir embora.
e desde então me sinto um pouco perdida. a saudade me consome.
mas tenho a certeza que ele está chegando daqui uns dias e de que, independente, de onde estivermos nós continuaremos juntos.
encontrei no meu melhor amigo o melhor amor do mundo. e não abrirei a mão disso por nada.
eu não poderia ter me apaixonado por alguém melhor que o meu melhor amigo.

- o amor aos 18 anos(ou um amor idealizado);


2005 foi um ano muito especial. sabe por que? depois de passar um tempo no "inferno", eu consegui sair dele. e isso me trouxe auto conhecimento. me descobri sendo uma pessoa forte, uma pessoa alegre e por vezes divertida. viajei, dancei, bebi. fiz coisas que eu nunca tinha feito antes.

assim, conheci alguém. e foi lindo. foi um sentimento puro.
foi alguém que eu confiei. alguém que confiou em mim.
cada dia nosso era feliz. de alguma forma, ele tinha vivido coisas parecidas com as minhas.
e nós crescemos juntos. amadurecemos juntos. viajamos juntos. nos amamos de uma forma bem gostosa. aprendemos a ter amigos, aprendemos a conquistar as coisas, aprendemos a driblar a distância, aprendemos a ignorar as fofocas, faziamos loucos passeios de moto, criamos uma rede social tão legal, nossas famílias sempre nos deram apoio. tínhamos planos sim. mas bem no fundo sabíamos que eles não se concretizariam. juro que algumas vezes eu desejei muito que se tornassem realidade. e sim, este amor valeu a pena.

no entanto, desde o inicio existia um ponto essencial que divergia entre nós. e nunca demos importância. hoje eu admito que esse amor, apesar de lindo, foi mais uma idealização de ambas as partes. eu esperava que ele mudasse, ele esperava que eu mudasse. mas a gente esqueceu que não temos o poder de mudar as pessoas. e fomos levando nossa vida... até o dia em que o ponto crítico realmente ficou crítico.

apesar de todas a similaridade entre nós, sempre tivemos planos diferentes. eu queria voar. ele queria ficar com os pés no chão. pra ele isso é idiotice, ilusão. pra mim é futuro, realidade.

sei que hoje ele me culpa pelo fim. mas sei também que no fundo ele sabe que não é só culpa minha. eu não poderia fazer ele feliz como ele queria. ele não poderia me fazer feliz como eu queria. eu jamais seria a mulher passiva que ele esperava.

apesar dos pesares, foi melhor assim. nós dois sabemos. desta forma, manteremos esse amor como uma lembrança bonita do passado. mesmo que algumas vezes tivemos momentos ruins, mas os bons prevaleceram. e eu só tenho a agradecer pela mulher que ele ajudou a me tornar. e do fundo do coração, quero ver ele feliz como eu estou.

- o amor aos 13 anos;



quando se é adolescente qualquer mísera sensação ou sentimento ganha proporções gigantescas. uma briga com os pais é o motivo pra "fugir" de casa. uma briga com uma amiga é pra mudar de cidade! e o fim de um namoro? ah, este é o FIM DO MUNDO.

no ínicio é tudo lindo. é um amor que nasce do dia pra noite. uma coisa sem tamanho.
com o tempo a pessoa passar a ser o ar que você respira. e é engraçado como somos inocentes ainda. inocentes ao ponto de nos ignoramos pra satisfazer os outros.

geralmente os namoros desta época duram anos. não entendo o porquê. talvez por sermos novos e ainda não estarmos moldados "pra vida" a gente é meio que mais "tolerante".

meu primeiro namoro foi assim. menino da escola. popularzinho. essas coisas importantes pra adolescente. hoje eu vejo com outros olhos. hoje eu vejo que tudo já começou errado.
com 13 anos, meu primeiro namoro começou baseado em mentiras, tanto da minha parte, quanto da dele. ah, claro, ele era mais velho. tinha 16 anos.

a mentira? ele ficava comigo e com uma amiga minha, eu ficava com ele e um cara da minha cidade. ele nunca soube disso. já eu fiquei sabendo no dia que ele me pediu em namoro: 24/03/2001, 7 dias depois de termos nos conhecido. (eu disse que era tudo intenso).

o começo foi lindo né. cara entra pra família. minha família fica amiga da família dele(é até hoje). cara me dá presente. e a gente acha que encontrou o HOMEM DA VIDA. o grande amor.
então vem uma intensidades de sentimentos como: ciúmes, insegurança, tesão, carinho, saudade, preocupação, e talvez, amor. e é tão difícil lidar com isso, equilibrar isso. poucos conseguem. EU NÃO CONSEGUI.

começa um ciumes aqui, outro alí. uma mentirinha aqui, outra alí. e o mundo começa a cair aos pedacinhos. me lembro tão claramente quando, entre brigas e palavrões, ele me diz: dia 21 de janeiro de 2002 vou terminar com você tá? é quando começam as suas aulas, daí você fica menos sozinha. o que eu fiz? continuei com ele e chorando todos os dias até dia 21... e depois também. eu tinha a sensação de que o seria o meu fim. me arrancaram o coração sem anestesia. pensava que eu iria morrer, sério. mas meu pai me deu uma idéia: ficar 30 dias sem falar/ver o ex namorado. e meu pai foi ousado: no 20 dia você estará ótima.
no 10° dia eu estava incrível. feliz. conhecendo gente. obvio que dias depois de saber do meu sucesso, ele voltou. me puxou o tapete e me fez cair de novo aos seus pés. e desta vez, colocou uma coleira. a partir daí foi tudo piorando. quando a gente é adolescente a gente não se dá valor.

nos 4 anos e meio que estivemos juntos podem ser resumidos em: traição, mentira, falta de respeito e chantagens. ele sempre me diminuía, aparecia da minha escola pra ver a roupa que eu tava usando, me proibia de ter amigos. ele sempre terminava comigo e me deixa aos pedaços jogada alí naquele tapete. então eu começa novamente a colar cada mísero pedaço de mim. me levantava e começava a caminhar. numa dessas idas e vindas, conheci uma pessoa que me ajudou. e ele cantava pra mim(ele tinha uma banda), ele era amigo dos meus amigos(coisa que o ex não era), e ele me divertia. sem dúvidas o ex descobriu e estragou tudo. me chantageou e eu voltei. isso foi em 2004. o pior ano da minha vida. um ano que eu não encontro uma simples lembrança boa. um ano que eu desejava morrer todos os dias. na verdade, eu até tentei. sem sucesso.

o tempo passa. a gente cresce. e CANSA. e eu cansei. cansei de descobrir as mentiras dele, cansei de ser deixada em casa pra ele jogar playstation com os amigos. finalmente descobri uma mega traição no dia meu aniversário, o qual ele não esteve presente porque disse que o avô estava morrendo. era mentira, claro.

terminar com ele foi muito fácil. em todas as minhas falhas tentativas de deixa-lo, ele voltava chorando, dizendo que tava doente, que precisava de mim, que ia morrer. eu cedia. mas agora era diferente. por mim, se ele estivesse morrendo, eu juro que o ajudaria a morrer logo. eu estava livre, eu não me sentia mais "suja" por ser a "prostituta" dele. e meu coração, ah este já estava preso em um laço de fita. ;x

foi assim que eu descobri que o amor não mata. que eu não preciso de ninguém pra viver. eu não posso permitir que me violentem assim todos os dias porque ninguém tem o direito de me maltratar. aprendi também o que é ironia, cinismo, falsidade e sarcamos (e como usa-los). e que sim, eu valho a pena.

infelizmente esses anos me deixaram cicatrizes. umas ainda me fazem mal. pelo menos assim elas me lembram que eu já estive no fundo do poço e que eu não quero voltar pra lá.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

- love is a losing game;


why do I wish I never played?
oh, what a mess we made!
and now the final frame.
love is a losing game.