domingo, 30 de setembro de 2007

- apagar-me;

apagar-me,
diluir-me,
desmanchar-me,
até que depois,
de mim,
de nós,
de tudo,
não reste mais
que o charme.
- paulo leminski



não seria novidade 'alguém' não entender o que eu quis dizer. tá tudo bem...
ninguém sabe o quanto eu 'adoro' quando alguém vai me dizer uma alguma coisa a qual eu posso não gostar muito, então a pessoa usa palavras 'suaves' para amenizar o impacto. ô cacete, fala direito! mas neste caso, já surtei pra que a pessoa fosse bem direta, mas realmente, não adiantou. tudo bem, eu finjo que acredito que é tão 'simples' assim.

quem nunca se odiou por ter ligado pra alguém quando na verdade, você sabia que não devia ligar porque com certeza não iriam te atender, mas mesmo assim você insite?! o/ pelo menos me rendeu um retorno. um dos poucos momentos de 'emoção' do dia.

e claro, é muito triste saber e ver que algumas pessoas estão errando e que não exista nenhum jeito de fazê-la ver isso porque todos métodos(os que estão ao meu alcance) já se esgotaram. o pior é que a pessoa só irá entender e perceber que tudo o que nós falamos é porque realmente nos importamos, quando alguma coisa muito ruim acontecer.
"i see you averting your glimpses, i see you cheering on the war, i see you ignoring your children, and i love you still."
talvez essa pessoa não tenha noção da presença de ausência que ela se tornou. =/
too bad, porque essa pessoa é meu pai.

quinta-feira, 27 de setembro de 2007

- versos íntimos

versos íntimos - augusto dos anjos


Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

--

e hoje o dia tinha começado tão bem, mas por algum motivo desconhecido, tudo perdeu a graça.

quarta-feira, 26 de setembro de 2007

- someday, somehow, (...)

someday,
somehow,
i'm gonna make it all right but not right now;
i know you're wondering when.


que dia foi esse? hunf!
apesar de todas as coisas que deram errado, foi um dia bastante produtivo.
um peso a menos já ter me livrado de algumas matérias da faculdade. é a recompensar de ser estudiosa! ehehe!
mas o melhor de tudo nem foram os foras na xerox do tipo descobrir que o tiozinho dorme embaixo do balcão ou ele rir das bobeiras que a gente fala; nem foram as besteiras que aquelas meninas falaram pra Agda, como o motivo da minha amiga estar emagrecendo não é o que ela deixou de comer, mas o que "passou a comer".
o melhor de tudo foi a reunião do AA. adorei!
sabe, a gente não tem muita noção de que o alcoolismo é uma doença até o momento em que se entra em contato com pessoas portadoras desta doença "incurável e mortal"(como disse uma pessoa do grupo).
nem me importei de ter ido pra lá sem comer, sem tomar banho porque eu fui direto da faculdade, que por sinal não tem ar-condicionado. e olha que a gente paga R$1070,00 de mensalidade. hunf!

e ontem eu fuçava no meu blog antigo,
mais especificamente no anoe de 2005, que foi muito especial; porque 2004 foi deprimente! acho ridículo ler as coisas bobas que eu falava sobre amor. quem disse que aquilo era amor? bom, se era ou não, acabou. e de alguma maneira foi 'bom', e claro, de MUITA aprendizagem.
continuando, achei uma coisa que escrevi no dia 27/02/05, exatamente dois dias depois de um certo acontecimento:

"hoje eu acordei sem querer acordar, sem querer levantar, queria passar o dia todo dormindo e nem pensar em VOCÊ! na falta que você faz! nem queria lembrar das coisas que você falou aquele dia, bem baixinho e me fizeram rir! das coisas sem noção que a gente conversou! não queria lembrar também do seu sorrisinho mais bonitinho...! e por alguns minutos, eu nem me senti tão estranha e deslocada do mundo, me senti feliz demais e completa! ah, mas e daí? agora você tá longe de mim e eu tô sentindo sua falta! e você sente a minha? eu penso em você, claro! e você pensa em mim? ahhhh, como eu adoro você!!! e você, me adora também? mesmo que um pouco? queria trazer você aqui de volta pro meu ladinho! e eu juro que iria ser legal! a gente poderia rir, a gente poderia cantar, a gente poderia até dormir ou assistir um filminho brega na televisão! acho que tudo isso seria tão bom, mas só se você estivesse aqui comigo! você prometeu que não iria esquecer de mim, lembra-te disto? eu espero você voltar, mas não demora muito, tá?"

este eu não terminei dizendo: espero um dia ouvir da sua boca tudo, o que quero te dizer da minha.
e hoje, tanto tempo depois, percebo que pouco mudou em relação a isso.
nesta época a situação não dependia de mim, o que era mais fácil, mas agora sinto que depende e eu não sei lidar com isso. (...)
é, acho bom eu estudar mais sobre 'soluções de problemas' na análise do comportamento, quem sabe assim não aprendo mais sobre resolver problemas. heheh!

--
Segundo Skinner (1999), resolver um problema é mais do que emitir a resposta que será a solução. Implica ainda em dar os passos necessários para tornar a resposta-solução mais provável de ocorrer, geralmente promovendo mudanças no ambiente ou no próprio comportamento. Pensar uma solução é um comportamento modelado e mantido por uma longa história de reforço anterior, que torna a pessoa uma solucionadora de problemas. Trata-se de uma habilidade aprendida através de treino prévio, instrução e reforço.


terça-feira, 25 de setembro de 2007

e porque tudo tem um início...

ás vezes já era hora de mudar.
fazer um novo começo,
mesmo que por livre e expontânea pressão do webbloger que não funciona
e também do meu vício de escrever.
então, bem vindo ao meu desmundo.

terça-feira, 4 de setembro de 2007

- faz de conta;

"não respondo teus e-mails, e quando respondo sou ríspida, distante,
mantenho-me alheia: FAZ DE CONTA QUE EU TE ODEIO

te encho de palavras carinhosas, não economizo elogios, me surpreendo de tanto afeto que consigo inventar, sou uma atriz, sou do ramo: FAZ DE CONTA QUE EU TE AMO.

estou sempre olhando pro relógio, sempre enaltecendo os planos que eu tinha e que os outros boicotaram, sempre reclamando que os outros fazem tudo errado: FAZ DE CONTA QUE EU DOU CONTA DO RECADO.

debocho de festas e de roupas glamurosas, não entendo como é que alguém consegue dormir tarde todas as noites, convidados permanentes para baladas na área vip do inferno: FAZ DE CONTA QUE EU NÃO QUERO.

choro ao assistir o telejornal, lamento a dor dos outros e passo noites em claro tentando entender corrupções, descasos, tudo o que demonstra o quanto foi desperdiçado meu voto: FAZ DE CONTA QUE EU ME IMPORTO.

digo que perdôo, ofereço cafezinho, lembro dos bons momentos, digo que os ruins ficaram no passado, que já não lembro de nada, pessoas maduras sabem que toda mágoa é peso morto: FAZ DE CONTA QUE EU NÃO SOFRO.

cito Aristóteles e Platão, aplaudo ferros retorcidos em galerias de arte, leio poesia concreta, compro telas abstratas, fico fascinada com um arranjo techno para uma música clássica e assisto sem legenda o mais recente filme romeno: FAZ DE CONTA QUE EU ENTENDO.

tenho todos os ingredientes para um sanduíche inesquecível, a porta da geladeira está lotada de imãs de tele-entrega, mantenho um bar razoavelmente abastecido, um pouco de sal e pimenta na despensa e o fogão tem oito anos mas parece zerinho: FAZ DE CONTA QUE EU COZINHO.

bem-vindo à Disney, o mundo da fantasia, qual é o seu papel? você pode ser um fantasma que atravessa paredes, ser anão ou ser gigante, um menino prodígio que decorou bem o texto, a criança ingênua que confiou na bruxa, uma sex symbol a espera do seu cowboy: FAZ DE CONTA QUE NÃO DÓI." *

vivo uma vida bem distante, como em um conto de fadas e com direito a principe encantado. saio. bebo. jogo. me divirto. levo um belo e grande sorriso no rosto e risadas no peito. ocupo o máximo do meu tempo, até mesmo pensando. pensando no que fazer para amanhã, no que estou fazendo e no que fazer do meu futuro. isso tudo pra não deixar meus pensamentos em alta: FAZ DE CONTA QUE NÃO SINTO SUA FALTA.

* (martha medeiros)