quarta-feira, 28 de junho de 2006

- eu sempre soube;

sempre soube que eu estava certa.
agora eu sento e observo você definhando com desprezo.

"nesses desencontros eu insisto em te encontrar, como se eu partisse já pensando em voltar. como se no fundo eu não pudesse existir sem ter você. toda vez que eu volto eu te vejo sempre igual, como se a saudade fosse a coisa mais banal. e eu chegando sempre como um louco pra dizer que amo você."

- saudade? fale por você.

terça-feira, 13 de junho de 2006

- uma confissão que eu não esperava;

13 de junho. jogo brasil e croácia.
placar brasil 1 x 0 croácia.

e uma confissão que eu não esperava. não hoje. não tanto tempo depois.

"é impressionante a vontade que tenho de te ver porque após tantos desencontros, a possibilidade disso acontecer me deixa feliz. é como encontrar uma relação que, mesmo fundamentada em encontros virtuais, comeou de maneira bem real, e que nossos telefones mantiveram acessas as possibilidades.
mas confesso que pelo carinho que demonstrou comigo me deixa sempre feliz, quando envia uma mensagem, quando conversamos, enfim, ter você por perto é muito bom, minha linda!
(...) sou meio ermitão aqui e sua companhia sempre me deixa alegre, em saber que alguém como você pensa em mim e me sinto feliz por sentir sua presença. parece que sempre estivemos juntos, de uma forma ou de outra, sempre te senti prossima de mim".